Glossário para cervejeiros de plantão

Com a expansão da cultura cervejeira no Brasil, a divisão de cervejas apenas por cor (clara ou escura) já não é suficiente. O desenvolvimento do mercado tornou essa cultura um pouco mais complexa. Como resultado, houve o surgimento de termos mais específicos que agora se fazem presente na vida dos consumidores e produtores.

Pensando nisso, e com a ajuda do site do Mestre Cervejeiro, reuni alguns dos termos mais usados, a fim de descomplicar sua experiência com a bebida artesanal. O intuito da lista não é necessariamente destrinchar cada um. Iremos apenas dar uma definição básica para quem possui curiosidade sobre o tema. 

Glossário de termos cervejeiros

A

ABV: Sigla de Alcohol by Volume, “Álcool por Volume” em inglês. É definido como o volume em ml de etanol puro em 100 ml de uma solução a 20°C. Ou seja, uma cerveja com 10% de ABV contém 10 ml de etanol puro a cada 100 ml de cerveja.

B

Brassagem: Sinônimo de maceração dos maltes, etapa na qual os açúcares são extraídos dos grãos através da atuação de diferentes enzimas ativadas pelo aquecimento da água em diferentes temperaturas.

C

Cervejaria cigana: Cervejaria que não tem fábrica própria, ou seja, terceiriza sua produção na fábrica de outra cervejaria.

D

Drinkability: Termo subjetivo usado para descrever o quanto uma cerveja é fácil de beber. Uma cerveja com baixo drinkability sacia ou torna-se enjoativa mais rapidamente do que uma com alto drinkability. Importante lembrar que este termo não reflete qualidade técnica ou sensorial, pois uma cerveja com baixo drinkability pode mesmo assim ser de excelente qualidade.

E

Ésteres: Compostos químicos responsáveis pelos variados aromas frutados presentes caracteristicamente nos estilos belgas como Belgian Tripel, Belgian Dubbel e Belgian Dark Strong Ale. Podem remeter a diferentes frutas como banana, damasco, pêssego, banana-passa, figo, ameixas etc.

G

Graus Plato (°P): Unidade de densidade comumente encontrada em cervejas tchecas. Esta escala mede a quantidade de açúcares no mosto em proporção à água. Ou seja, uma cerveja com 14°P tinha 14% de sua massa em açúcares e 86% de água antes da fermentação (gravidade original – OG). 

I

IBU: Sigla de International Bitterness Unit. É uma escala para medir o amargor nas cervejas, sendo que 1 IBU = 1 mg de alfa ácido (α-ácido) isomerizado por Litro de cerveja.

M

Maturação: Processo após a fermentação no qual a cerveja é mantida em torno 0°C por algumas semanas para sedimentar todas as partículas sólidas e “arrendondar” os sabores. Muitas vezes adjuntos como frutas, ervas e especiarias são adicionados nesta etapa, assim como o dry-hopping.

R

Reinheitsgebot: Nome em alemão da Lei de Pureza Alemã, promulgada em 1516 pelo Duque Guilherme IV da Baviera. Determinava que apenas três ingredientes eram permitidos na produção de cerveja: água, malte e lúpulo. Está em vigência até hoje, com diversas atualizações como a inclusão da levedura, na época desconhecida.

S

Session: As cervejas Session (não confundir com Saison, que é um estilo da escola Belga) são versões de qualquer estilo, mantendo-se as demais características como aromas e gostos, porém com teor alcoólico reduzido. É possível produzir uma cerveja Session a partir de qualquer estilo, como por exemplo Session IPA, Session Pilsen ou Session Porter. Até mesmo Session Saison!

Todavia, se você é um aspirante a cervejeiro e quer conferir o glossário completo,  acesse o site: www.mestre-cervejeiro.com